Jogo 5.875: Uma eliminação sob encomenda

 2 x 1

O Corinthians finalmente venceu o Guaraní do Paraguai, mas o gol sofrido em casa classificou o adversário para enfrentar o Palestino na próxima fase da Libertadores de 2020.

Em algum lugar estava tudo combinado. Qualquer movimento estranho e o Corinthians teria seu caminho dificultado além do normal. Começou aos 2 minutos, quando Pedrinho foi amarelado por um escorregão no qual atingiu o adversário.

Com o Guaraní todo postado na defesa, o Timão foi ao ataque e não tardou a abrir o placar. Aos 7 minutos, Luan recebeu na intermediária, cortou para o meio e chutou da entrada da área, sem defesa para Sérvio.

Considerando tempo normal e acréscimos desde o primeiro confronto, em 2015, quase 300 minutos se passaram para que o Corinthians finalmente vazasse o aurinegro paraguaio.

E enquanto o Corinthians buscava o segundo gol, o árbitro argentino Néstor Pitana carregava nos cartões amarelos para jogadores mosqueteiros.

Arbitragem rigorosa, mas apenas contra um lado. Pitana advertiu Camacho, depois Cantillo e, por fim, deu mais um amarelo para Pedrinho, que não maltrata nem insetos, expulsando-o por uma tentativa de bicicleta na qual o adversário se joga em cima dele para provocar o choque.

Estávamos ainda aos 28 minutos do primeiro tempo. Mas o Corinthians seguia focado e logo em seguida Luan acionou Vágner Love pela esquerda. O atacante avançou até a linha de fundo e passou para Boselli marcar o segundo gol.

O Corinthians jogava melhor. A dúvida era se aguentaria uma eventual pressão com um jogador a menos. No início do segundo tempo, depois de inverter uma falta em Boselli, Pitana inventou uma falta para o Guaraní na entrada da área, frontal. Fernández bateu, Cássio ainda tocou na bola, mas não evitou o gol.

Mesmo com um a menos, o Corinthians desdobrava-se em campo e criava chance atrás de chance de marcar o terceiro gol. E desperdiçava, uma oportunidade depois da outra. Em mais de uma faltou um pouco de sorte ou um biquinho de chuteira.

No fim, dizem que raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Pois nós corinthianos assistimos ao terceiro raio cair no mesmo lugar. Como aconteceu nas três últimas eliminações corinthianas na Libertadores, o Timão empatou com o adversário no placar agregado e caiu pelos gols sofridos em casa na partida de volta tendo um jogador expulso e Nestor Pitana como árbitro. Mas é claro que não deve ser nada além de coincidência e paranoia.

Seja como for, pelo perfil da arbitragem observado nos jogos contra o Guaraní, o Corinthians dificilmente iria muito longe na Libertadores deste ano. No agregado do confronto, os dois gols sofridos pelo Timão tiveram origem em bolas paradas perigosas ocorridas apenas por erros de arbitragem. Erros estes que, quando sistemáticos, deixam o adversário beneficiado seguro e confiante e causam efeito inverso em quem é prejudicado. Alguém nos bastidores deve considerar o avanço alvinegro indesejável.

Seria preciso estar jogando muita bola logo no começo do trabalho para vencer o adversário e o juiz jogo após jogo. Não nos esqueçamos que o Corinthians é um time em reformulação, buscando uma nova cara depois de anos a fio dedicado a um modelo de jogo que perdeu sentido, momento e impacto.

Que Tiago Nunes tenha paz para encontrar este novo caminho para o Corinthians, mas preferencialmente sem insistir no displicente Sidcley.


Artilheiros do jogo: Luan e Boselli |
| Contra o Guaraní do Paraguai |
O Corinthians em 2020 |
| Em Itaquera |
| Sob o comando de Tiago Nunes |
| Na história da Libertadores |
| Contra clubes paraguaios |
O Corinthians na história |


One thought on “Jogo 5.875: Uma eliminação sob encomenda

  1. Desclassificação frustrante pra Fiel e prejudicial para as finanças do clube. O fato é que o Corinthians começou a cair fora da Libertadores ainda no ano passado, quando fez um segundo semestre de baixíssimo nível e, mesmo com a má qualidade do futebol apresentado por outros times, o Corinthians foi perdendo um jogo atrás do outro até ficar fora da zona de classificação para a fase de grupos. Tiago Nunes foi contratado ainda em 2019, mas só assumiu a direção do time em 2020, com pouquíssimo tempo pra ajeitar o time. Como se isso fosse pouco, o elenco montado pra este ano é de qualidade técnica limitada, o que ficou mais uma vez evidente no jogo desta quarta-feira com a falta de boas opções no banco pra decidir a classificação. Atribuo a frustração de hoje à falta de planejamento da diretoria corinthiana, embora a falta de pontaria dos atacantes, a falha do Cássio e a arbitragem canalha também tenham contribuído. Ou o Corinthians melhora esse elenco ou teremos um ano de mais frustrações. Ah, se todos fossem como Fagner e Cantillo, que maravilha seria o Timão!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *