Jogo 4.849: Majestoso anulado por interferência do juiz ladrão

 3 x 2

O São Paulo passou as últimas dez rodadas reclamando insistentemente da arbitragem, mesmo sem ser prejudicado. Quem acabou pagando o pato foi o Corinthians. Na tarde desta quarta-feira, o árbitro Edílson Pereira de Carvalho interferiu no resultado em favor do tricolor, apesar de o Timão não ter apresentado um bom futebol.

O Corinthians até começou bem. O estreante Nilmar abriu o placar logo aos dois minutos de jogo numa boa jogada de Roger. Mas o juiz logo começou a aprontar das suas. No intervalo, o zagueiro Sebá relatou ter sido ameaçado por Edílson Pereira de Carvalho sem ter feito nada de mais. Mais tarde, Roger revelou que o árbitro chamou o argentino de “gringo de merda”.

No quesito cartões amarelos, o juiz aplicou em faltas leves de Sebá e Tévez o mesmo critério usado para faltas muito mais duras dos jogadores são-paulinos. No fim, Jô e Wendell saíram contundidos depois de entradas violentas dos adversários.

O gol de empate são-paulino saiu no meio do primeiro tempo em bela jogada individual de Amoroso. A virada veio na segunda etapa, mas o gol de Souza saiu de uma jogada iniciada numa falta em Ronny não assinalada pela arbitragem. Aos 41 do segundo tempo, Rosinei recebeu passe de Roger e igualou o marcador em um belo chute de pé esquerdo.

Apesar de o Corinthians não ter jogado bem, o São Paulo também apresentou um futebol mediano. O empate por 2 x 2 até parecia justo para o que apresentaram as duas equipes, que desperdiçaram diversas oportunidades de gol ao longo do jogo. Mas Edílson Pereira de Carvalho discordou dessa percepção. Insatisfeito com o empate, o árbitro resolveu alterar o placar e assinalou pênalti inexistente em Souza aos 43 da etapa final. Amoroso bateu e converteu, garantindo o 3 x 2 para o São Paulo.


P. S.: Texto escrito antes de ter vindo à tona o esquema de manipulação de resultados praticado pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho.

Clique aqui para ver como foi o jogo remarcado.