Jogo 4.839: Derrota para o Santos anulada após descoberta de juiz ladrão

 4 x 2

No sábado pela manhã, quando li que Robinho havia fechado um acordo com o Santos e jogaria contra o Corinthians, comecei a alimentar a esperança de que o Timão conseguiria quebrar seu tabu contra o alvinegro da Vila Belmiro tendo em campo seu maior algoz dos últimos anos.

Se fosse pela falta de ritmo de Robinho e pela eficácia de seu ataque, o Corinthians até poderia ter vencido o jogo da tarde de hoje na Vila, mas o frágil sistema defensivo mostrou que o Timão ainda está longe de ser uma equipe equilibrada. Tanto o Corinthians quanto o Santos travaram um duelo aberto e bonito de se assistir. Infelizmente, quem venceu desta vez foi o adversário, por 4 x 2.

Minhas esperanças de quebra de tabu terminaram com menos de 30 segundos de partida, quando Roger perdeu a bola no meio de campo para Frontini, que avançou e tocou para Giovanni. O atacante conduziu a bola sem maior resistência até a área corintiana e tocou para o meio, onde o zagueiro corintiano Marinho aproveitou para marcar seu segundo gol contra em dois jogos consecutivos. Ele lembra mais o Célio Silva ou o João Carlos? Na súmula, o árbitro deu o gol para Giovanni aos 26 segundos de jogo. É tudo uma questão de ponto de vista.

Aparentemente se acostumando com as idiotices de Marinho, o Timão não se abalou e fez um bom primeiro tempo. Além do gol de empate, feito por Roger depois de belo passe de Tévez para Gustavo Nery, o Corinthians desperdiçou boas oportunidades de reverter a desvantagem inicial, algumas delas salvas pelo goleiro Saulo.

O Timão voltou para o segundo tempo um pouco atrapalhado e tomou o segundo gol aos sete minutos numa jogada que misturou uma bela troca de passes dos santistas com a persistente desorganização da defesa corintiana. Aos 14, Giovanni chutou da entrada da área em cima de Fábio Costa, mas nosso digníssimo goleiro aparentemente achou melhor deixar a bola entrar. E olha que ele até vinha jogando bem.

Rosinei descontou dois minutos depois e o Corinthians voltou a criar boas chances de igualar o marcador. Entrou então em campo a mão do árbitro Edílson Pereira de Carvalho em favor do Santos. Ele ignorou dois pênaltis – um de Wendell e outro de Fabinho – em cima de Jô e seu auxiliar deu continuidade à jogada do quarto gol do Santos, na qual Ricardinho e Wendell estavam em situação bastante duvidosa.

O setor ofensivo voltou a ter um bom desempenho na tarde de hoje. Além dos dois gols, diversas oportunidades de marcar foram criadas e perdidas. Mas a inoperância da defesa foi a principal responsável pela derrota por 4 x 2 e pela quebra de uma seqüência de cinco vitórias consecutivas, a segundo no Campeonato Brasileiro deste ano.

O Corinthians ainda possui o melhor ataque da competição, com 36 gols, mas os 33 gols sofridos mostram que mais cedo ou mais tarde a defesa comprometeria as boas atuações do restante do elenco. A média de gols sofridos é de mais de dois por partida, algo inaceitável para um time como o Corinthians. Fábio Costa e Marinho já estão fazendo hora extra no time titular. E depois dizem que o Passarella não estava certo quando afastou o goleiro. Ele poderia ter sido mais delicado, mas isso é uma outra história…

Conduzido por Giovanni, o Santos manteve o tabu de não perder para o Corinthians desde outubro de 2001, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro daquele ano. De lá para cá foram 11 jogos, sendo nove derrotas e dois empates. Robinho, que estreou em 2002, jogou mal, mas vai embora para o Real Madrid sem nunca ter amargado uma derrota para o Timão. Mas tudo tem sua hora para acontecer.

Mesmo com a derrota, o Corinthians manteve a segunda colocação no campeonato graças ao empate por 1 x 1 entre Ponte Preta e Internacional em Campinas. A Ponte lidera com 33 pontos, seguida pelo Timão, com 31, e pelo Inter, com 29.


P. S.: Texto escrito antes de ter vindo à tona o esquema de manipulação de resultados praticado pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho.

Clique aqui para ver como foi o jogo remarcado.