Jogo 5.536: Corinthians para na trave e perde para o Santos na Vila

1 x 0

Depois de ter passado muito tempo dando alegrias à Fiel nos confrontos contra seus mais tradicionais rivais, o Corinthians perdeu neste sábado para o Santos na Vila Belmiro, pela contagem mínima, e completou uma sequência indigesta, saindo derrotado dos últimos jogos disputados contra Palmeiras, São Paulo e Santos. Continue reading

Jog 5.391: Corinthians conquista seu 27º título paulista

santos 1 x 1 corinthians

Nenhum anti pode reclamar de arbitragem ultimamente. Convocado na última hora com a aparente missão de segurar o Timão e garantir o inédito tetracampeonato santista, o apitador Guilherme Ceretta de Lima inventou faltas para o Santos, ignorou infrações perigosas a favor do Corinthians e conduziu o jogo para muito além do longo acréscimo prometido – ia levar o segundo tempo até os 49, mas deixou seguir até os 52 sem justificativa nenhuma, só pra ver se dava pelo menos pênalti. Mas não deu.

Ceretta não pôde impedir o gol de empate de Danilo, um minuto depois de Cícero ter aberto o placar para o Santos na tarde deste domingo no pardieiro mais famoso do mundo.

Pela 27ª vez na história, apenas alguns dias depois de ter sido vítima de um dos maiores roubos da história do futebol internacional, o Corinthians sagrou-se campeão paulista, o maior de todos. Continue reading

Jogo 5.320: Golaço de Sheik bate o Santos, o juiz e o apagão na Várzea Belmiro

santos 0 x 1 corinthians

Todos os meios – lícitos e ilícitos, morais e imorais – foram utilizados na noite da quarta-feira, 13 de junho, para impedir uma vitória do Corinthians sobre o Santos na Várzea Belmiro. Mas nem a truculência do badalado time santista, nem a arbitragem tendenciosamente caseira de Marcelo de Lima Henrique, nem o “misterioso” apagar das luzes do estádio, que levou o jogo até os primeiros minutos do dia 14, foram suficientes para impedir o triunfo mosqueteiro no campinho de várzea mais conhecido do mundo. Continue reading

Jogo 5.113: Santos vence reservas mosqueteiros na Vila

santos 3 x 1 corinthians

Com o time reserva do goleiro ao ponta-esquerda, o Corinthians entrou de certa forma desobrigado em campo no jogo da tarde deste domingo na Vila Belmiro. Como o Santos, teoricamente, tinha a obrigação de ganhar, o trio de arbitragem fez o dever de casa e não frustrou a diretoria e a torcida do tão sofrido vice-campeão paulista nesta quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Continue reading

Jogo 5.103: Timão bate o Santos na Vila com atuação de gala de Ronaldo

santos 1 x 3 corinthians

Numa atuação de gala do atacante Ronaldo, o Corinthians bateu o Santos por 3 x 1 na tarde deste domingo e voltou da Vila Belmiro com uma mão na taça. Agora, somente uma derrota por três gols ou mais de diferença (algo que não ocorre desde o segundo semestre de 2007) desviará do Parque São Jorge o título de campeão paulista de 2009. Continue reading

Jogo 4.859: Timão bate o Santos na Vila em jogo refeito por causa de juiz ladrão

 2 x 3

Num jogo tumultuado, o Corinthians bateu o Santos por 3 x 2 na noite desta quinta-feira na Vila Belmiro e distanciou-se do vice-líder Goiás na tabela de classificação, abrindo seis pontos de vantagem. A vitória de virada foi obtida no jogo refeito por causa das falcatruas do juiz ladrão Edílson Pereira de Carvalho.

O clássico de hoje foi apitado por Cléber Wellington Abade. Mas a arbitragem ruim comprometeu o espetáculo. Desta vez, apesar de lesado, o Corinthians pelo menos conseguiu sair de campo com a vitória, a quinta seguida numa seqüência invicta de dez partidas válidas pelo Campeonato Brasileiro.

O Santos começou dominando e saiu na frente aos 11 minutos de jogo, quando Cláudio Pitbull aproveitou belo passe de Geovanni e concluiu com classe. Ainda no primeiro tempo, apesar de desorganizado em campo, o Corinthians empatou com Betão.

O Timão voltou melhor para o segundo tempo, mas foi prejudicado quando Abade não marcou pênalti escandaloso do goleiro Saulo em Nilmar. Dois minutos depois, o árbitro expulsou o santista Luizão por causa de uma cotovelada infantil em Wendell. Entretanto, o Corinthians não soube tirar proveito da vantagem numérica e sofreu o segundo gol aos 23 minutos, quando Luciano Henrique aproveitou falha da defesa.

A reação corinthiana veio três minutos depois. Antonio Lopes trocou o zagueiro Marinho pelo atacante Bobô. Em seguida, Rosinei cabeceou no travessão. No rebote Nilmar empatou. O Corinthians dominava a partida e criava boas chances de virar o placar, mas o gol da vitória veio num pênalti de Zé Elias em Nilmar. Zé Elias, aliás, só terminou o jogo em campo por causa da conivência de Abade. Violento como de costume, ele merecia ter sido expulso antes mesmo de Luizão.

Em meio aos protestos santistas, Carlos Alberto converteu o pênalti aos 41 minutos da etapa final. Na saída de bola, Geovanni quis dar uma de nervosinho indignado (como se o Santos estivesse sendo roubado) e chutou a bola na direção da arquibanca, insuflando a torcida santista e dando início ao tumulto.

Dois minutos depois de virar o jogo, Carlos Alberto recebeu bola em condições de marcar o quarto gol corinthiano. Erroneamente, o bandeirinha assinalou impedimento do atacante corintiano. Com o lance já parado, Carlos Alberto foi chutado pelo goleiro Saulo. O atacante corinthiano bateu boca com o arqueiro adversário e terminou expulso. O goleiro agressor ficou impune. Pouco antes do término do tempo regulamentar a torcida santista começou a invadir o gramado e o clássico foi encerrado por falta de segurança, apesar de Abade ter hesitado em encerrar o jogo.

A confusão deixa claro o quão ridículo é a diretoria do Santos marcar clássicos na Vila Belmiro. Tal atitude é insensata e coloca em risco a integridade física de torcedores e atletas. Desconhecedores declarados do retrospecto do clássico, os torcedores santistas se esqueceram que são eles os fregueses históricos do Corinthians quando iniciaram a confusão e não aceitaram a derrota. A Vila Belmiro não deve ser somente interditada. Clássicos devem ser sumariamente banidos do estádio, cuja capacidade é igual à da Fazendinha, onde o Timão raramente manda jogos por vergonha na cara.

A vitória corinthiana coloca ponto final na era Robinho e no tabu que pairou durante o período. O Corinthians não vencia o Santos desde 2001, ou 11 jogos, dez deles com Robinho em campo. Com isso, o Timão voltou a ampliar sua extensa vantagem sobre o rival.

O dia 13 de outubro é um marco na história de queba de tabus pelo Corinthians. Em 1977, nessa mesma data, o alvinegro do Parque São Jorge encerrou um jejum de mais de 22 anos sem títulos no Campeonato Paulista.

O Timão terá problemas no domingo, quando não poderá contar com Roger, Carlos Alberto e Rosinei para o jogo contra o Palmeiras, mas a vitória de hoje concede ao time uma certa “margem de segurança” para o próximo clássico, apesar de não ser este o momento adequado para fraquejar no Brasileirão.


Clique aqui para ler o texto referente ao jogo anulado


 

Jogo 168: Cinco vira, 11 acaba!

santos 0 x 11 corantigo3

Foi na tarde de 11 de julho de 1920, em plena Vila Belmiro, que o Corinthians aplicou o maior sacode da história do confronto contra o Santos. Sem tomar conhecimento do adversário, o Timão desceu a serra, sapecou 11 x 0 e, dadas as circunstâncias da partida, a goleada só não foi maior porque o árbitro Eduardo Taurisano foi obrigado pela regra a encerrar o jogo antes da metade do segundo tempo. Continue reading