Jogo 2.861: Fiel estabelece recorde histórico de público do Morumbi, mas Ponte Preta leva decisão do título de 77 para a 3ª partida

corinthians 1 x 2 ponte

A Fiel torcida corinthiana não leva esse nome à toa. Mais de 146 mil corinthianos lotaram o Morumbi na tarde de domingo, 9 de outubro de 1977, na esperança de ver o Timão levantar o título paulista pela primeira vez em mais de 22 anos.

Palhinha saiu machucado e deu lugar a Vaguinho, que aos 42 minutos do primeiro tempo abriu o placar e levou à loucura a torcida alvinegra, que naquela tarde estabeleceu o recorde histórico de público do estádio Cícero Pompeu de Toledo: 146.082 pessoas (138.032 pagantes).

O gol de Vaguinho levava o Corinthians a cinco pontos na decisão do título. O adversário precisaria virar o jogo na etapa complementar se quisesse continuar na briga.

E a Ponte Preta foi guerreira. Disposto a estragar a festa corinthiana e levar a taça para Campinas, o adversário fez um segundo tempo perfeito. De falta, Dicá empatou aos 22 minutos. Mas o empate ainda deixaria o título no Parque São Jorge. E aos 38, Rui Rei virou para o time campineiro, fazendo a alegria dos antis, que naquele tempo já eram muitos, e forçando a terceira partida.

“Ficou todo mundo abatido”, relembrou o atacante Geraldão em depoimento para o filme “23 anos em 7 segundos”, documentário que abordou o fim do martírio corinthiano.

O resultado deixou a massa alvinegra com a pulga atrás da orelha. Será que já não sofremos o suficiente?

A resposta a esta pergunta viria na noite de 13 de outubro, uma quinta-feira em que o povo deflagrou uma festa que entrou pelo fim de semana e é celebrada até hoje.


FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 1 X 2 PONTE PRETA

Data: 09/10/1977
Local: Morumbi;
Juiz: Romualdo Arppi Filho;
Renda: Cr$ 4 239 010,00;
Público pagante: 138.032; Menores credenciados: 8.050;
Público total: 146.082;
Gols: Vaguinho, aos 42 do 1° tempo; Dicá, aos 22, e Rui Rei, aos 38 do 2° tempo.
Cartões amarelos: Jair, Romeu, Zé Eduardo, Marco Aurélio, Oscar e Odirlei.
Cartão vermelho: Adãozinho.
Corinthians: Jairo; Zé Maria. Moisés, Zé Eduardo e Vladimir; Ruço, Luciano (Adãozinho), Romeu e Basílio; Palhinha (Vaguinho) e Geraldão.
Ponte Preta: Carlos; Jair, Oscar, Polozzi e Odirlei; Vanderlei, Marco Aurélio, Dicá e Lucio; Rui Rei (Helinho) e Tuta (Parraga).


| Artilheiro do jogo: Vaguinho |
Contra a Ponte Preta |
No Morumbi |
Sob o comando de Oswaldo Brandão |
Na história do Campeonato Paulista |
O Corinthians na história |


*Publicado em 9 de outubro de 1977 como parte do especial sobre a quebra do jejum


One thought on “Jogo 2.861: Fiel estabelece recorde histórico de público do Morumbi, mas Ponte Preta leva decisão do título de 77 para a 3ª partida

  1. Eu tava no estádio nessa tarde histórica. Com meu pai e meu irmão. No intervalo do jogo, vencendo por um a zero, a festa começou na arquibancada. Todo mundo desfraldou sua bandeira, inclusive eu. Naquele tempo era permitido levar bandeira ao estádio. A minha foi costurada pela minha avó com tecido e escudo do Timão que eu comprei no centro de SP. O estádio tava todo em preto e branco, enevoado pela fumaça dos rojões (também se levava rojões) e embalado pelo batuque das organizadas (também podia entrar com instrumentos musicais). Foi uma festa linda. Mas desconfio que foi naquele dia que nós corinthianos aprendemos que não se pode comemorar nada antes do apito final. Nem gritar gol antes de a bola entrar. Minha bandeira tá em casa, guardada como uma relíquia, porque também a levei ao estádio quatro dias depois, no 13 de outubro, dia de São Basílio. Tá rasgada e nunca a costurei de volta. Só minha avó poderia fazer isso. E ela já se mandou dessa vida faz tempo. E o rasgo aconteceu na Paulista, em meio à comemoração do título, de uma maneira que não me lembro porque eu já tava, merecidamente, pra lá de Bagdá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *